HOMECOMING, A RECICLAGEM DOS FILMES DE CONSPIRAÇÃO DOS ANOS 70

homecoming

Homecoming é uma série estrelada por Julia Roberts. Na verdade, é a estreia dela na TV como protagonista. Vocês podem pensar que, pelo título e pela fama de queridinha da América da atriz, a série seja uma comédia água com açúcar. Mas vocês vão ficar de queixo caído já no primeiro episódio. Homecoming é um thriller tenso pra burro, com todos os episódios dirigidos por Sam Esmail, o criador de Mr. Robot.

Aqui Julia Roberts é uma terapeuta, coordenadora de um centro de recuperação para veteranos de guerra. Sua função é ajudar esses jovens traumatizados a lidar com as sequelas psicológicas dos horrores vivenciados no campo de batalha. Mas, aos poucos, alguns clientes, como os soldados são chamados, começam a desconfiar dos reais propósitos da empresa que financia o projeto.

Homecoming se passa em duas linhas temporais, nos dias de hoje e em um futuro próximo. A série funciona muito bem porque as partes que a compõem formam um todo coeso e intrigante. São dez episódios com cerca de 30 minutos cada. A tensão está presente do primeiro ao último minuto de cada episódio. Os roteiros dos criadores da série, Micah Bloomberg e Eli Horowitz, têm diálogos ora penetrantes, ora casualmente irônicos, além de montar um quebra-cabeça que, ao final, faz sentido e de, certa maneira, explode nossas cabeças.

A direção estilizada de Sam Esmail eleva a qualidade do texto. Esmail pegou, sem nenhum pudor, a estética dos filmes de conspiração dos anos 70, misturou com outro tanto de Hitchcock, um pouquinho de cyberpunk, bateu e saiu com escolhas visuais e sonoras que são ao mesmo tempo homenagem, paródia e evolução de filmes como Todos os Homens do Presidente, Maratona da Morte e Três Dias do Condor. Julia Roberts está muito bem, despida de qualquer glamour, num personagem bastante humano, ou seja, ambíguo. O final da série é surpreendente porque quebra expectativas ao entregar o que o espectador não pediu, mas que é interessante mesmo assim.

O perigo é real, só que não do jeito que você pensa. A cena pós-crédito do season finale deixa um belo gancho para a 2ª temporada, que já ganhou o sinal verde.

Homecoming (2018), 10 episódios, aprox. 30 min., Amazon Studios e outros.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

Anúncios

O DESESPERO DAS FLORES

flor-forte

O menino aprendeu com o pai
a amar as flores na labuta diária
no jardim bonito da casa
fizesse sol ou chuva

O menino conversava com as flores
em sussurros, para que ninguém o zombasse
pois as flores sabiam: sua dor era um segredo
e por isso tentavam animá-lo
com o zum-zum-zum das abelhas

As lágrimas invisíveis do menino
caíam em suas bochechas negras
assim que caíam as bombas
sobre as ruas, as casas, as pessoas

Apesar de toda aflição
o menino se espantava pelo jardim bonito
continuar bonito
como o último milagre de um deus morto

Certa noite, a família do menino teve de fugir
mama e papa não deram maiores explicações
abandonariam a casa abalada e o jardim bonito
e as lágrimas do menino agora caíam sem pudor

Levariam apenas o necessário para a jornada incerta
e o menino teve de fazer uma escolha difícil:
qual das flores carregar consigo,
deixar todas para trás não era uma opção

As palavras de papa foram duras, puro desencanto
em ver o homem que ensinou o menino a amar as flores
dizendo que a flor eleita seria um castigo vivo
de um passado que já não existia mais a assombrá-los

O menino era um bom menino, mas um menino
e como todo menino não entedia de muitas coisas
ou não queria entender ou fingia não entender,
mas, no final, venceu a batalha, não havia mais tempo para altercações

E a família partiu aproveitando o silêncio das bombas
e o menino escutou o choro de outros meninos e meninas e flores que ficavam
porque todas as abelhas também partiam

(Ricardo Santos)

AQUAMAN, UM FILME B DE LUXO

aquaman-textless

Adorei o filme da Mulher-Maravilha. E gostei de Aquaman. Se você odiou o filme de James Wan ou achou regular, não vou tirar sua razão. Comparado a outras superproduções, Aquaman é uma bagunça, tem problemas de ritmo, personagens são subaproveitados e é um pouco longo. Mas é uma bagunça divertida e bonita de ver.

O roteiro não faz o menor sentido ao cruzar informações do passado e do presente, de Atlantis e dos personagens. A maioria dos diálogos é constrangedora. As atuações são quase todas canastronas. Mas o grande mérito aqui é que todos os envolvidos abraçaram a cafonice da proposta sem medo. E essa cafonice dá certo porque não rimos dela, mas com ela. Vem embalada numa produção de primeira, com clima de anos 80. Os efeitos especiais e sonoros são impressionantes, mostrando um universo subaquático rico. As cenas de ação são brutais, muito bem coreografadas. A trilha sonora, usando sintetizadores, à maneira synthwave, e orquestra e percussão, é envolvente, ora ameaçadora, ora cheia de fantasia. O tema do Arraia Negra é de arrepiar.

Apesar dos problemas do roteiro, o terceiro ato é o melhor dos filmes da DC desde O Cavaleiro das Trevas. Na verdade, no papel, Aquaman não convence. O talento de James Wan tirou leite de pedra ao transformar um personagem secundário e motivo de piadas num herói carismático. Além do diretor enfrentar a complicada logística de filmar e pós-produzir cenas envolvendo água.

É muito bacana ver um filme desse porte com um protagonista que não é branco. O Aquaman/Arthur Curry de Jason Momoa ganha o público pelo apelo de astro de rock bombado, mas também por ser vulnerável emocionalmente, pelo humor e por ser um herói falho. Os vilões marcaram presença, principalmente, o rei Orm de Patrick Wilson, um lobo em pele de cordeiro. Agora Wan ficou devendo nas personagens femininas. Elas são badass e mais espertas do que os homens, mas são colocadas em segundo plano em momentos decisivos.

Aquaman é um filme B de luxo, o Flash Gordon do séc.21.

Aquaman, de James Wan, 2018, 143 min., Warner Bros. e outros.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

VEM AÍ A 2ª EDIÇÃO DA ESTRANHA BAHIA!

12208069_10154292705203102_372281579_n

Agora posso anunciar. Galera, vem aí a 2ª edição da Estranha Bahia, nossa coletânea de contos de terror, fantasia e FC! Publicada originalmente em 2016, foi finalista do prêmio Argos 2017. Os contos foram revistos pelos autores. Furos de roteiro foram corrigidos, passagens foram reescritas ou cortadas. As histórias estão mais coesas e elegantes, além de ter ganhado uma nova revisão. O nosso projeto gráfico emulando as revistas pulp continua. O acabamento da edição será melhor, com capa cartão (antes era papel couchê) e costura mais robusta. Vamos gastar um dinheirinho em divulgação e tentar ser um pouco mais criativos na promoção do livro. E será mais fácil adquiri-lo por meio de loja virtual. O lançamento das edições digital e física será em março de 2019 a um preço atraente.

SAIU CONTO NOVO!

45748339_1020020848182526_1345833186227126272_n (1)

Saiu um conto novo meu na Amazon. Uma ficção científica chamada Wonder, publicada originalmente na revista Trasgo número 15, em 2017. Em um mundo onde os wonders, crianças com uma inteligência nunca antes vista, tanto fascinam quanto causam temor, um pai especula sobre o futuro do seu filho que vai nascer. A vida dessa família nunca mais será a mesma. Clique na capa e boa leitura!

PERSON OF INTEREST: ANTES DE WESTWORLD

person_of_interest_cast

Christopher Nolan é um diretor muito talentoso, mas metade de seu sucesso se deve ao irmão e roteirista Jonathan Nolan. É como se o irmão mais velho Chris fosse o frontman da banda e Johnny, o guitarrista misterioso.

Desde o inventivo roteiro do filme Memento virei fã de Jonathan Nolan. Depois ele, em parceria com David S. Goyer, escreveu aquela maravilha chamada O Cavaleiro das Trevas. E então veio Westworld. Junto com sua esposa Lisa Joy, Jonathan Nolan mostrou do que era realmente capaz de fazer com total liberdade criativa.

Mas antes houve Person of Interest. Uma série de TV que teve cinco temporadas (2011-2016) e que também falava sobre inteligência artificial. Já faz algum tempo que não tenho mais paciência para assistir série de canal aberto com vinte e tantos episódios. Mesmo assim resolvi tentar e fiquei viciado. Que série incrível!

O que me atraiu em Person of Interest foram os personagens carismáticos (inclusive os vilões), os diálogos afiados e o worldbuilding desenvolvido. Após o ataque às Torres Gêmeas, o cientista Harold Finch (Michael Emerson) cria um supercomputador para prever ameaças aos EUA. As coisas dão errado e ele se torna um fugitivo do governo americano que agora usa sua criação para ajudar as pessoas ao invés de prejudicá-las. Para isso, Finch conta com a ajuda do ex-militar e ex-agente da CIA John Reese (Jim Caviezel), um homem em crise.

Destaque para as personagens femininas: sábias, irônicas, determinadas, guerreiras, violentas e imperfeitas. A policial Joss Carter (Taraji P. Henson), a hacker Root (Amy Acker), a espiã Sameen Shaw (Sarah Shahi), a fixer Zoe Morgan (Page Turco) , a criminosa Harper Rose (Annie Ilonzeh), a dirigente da CIA Control (Camryn Manheim), a agente da CIA Kara Stanton (Annie Parisse), a assassina Martine Rousseau (Cara Buono) e outras. Mesmo havendo uma atenção quanto à diversidade, aconteceram na série mortes desnecessárias, reforçando estereótipos.

Person of Interest começa como um procedural, muito acima da média, e evolui para uma trama de ficção científica das mais relevantes. Temas como liberdade, escolha, determinismo e vigilância são recorrentes, fazendo o espectador pensar melhor sobre as consequências do comportamento humano, como indivíduo e sociedade.

A série também é muito divertida, cheia de humor nerd, suspense e ação. Por ter tido mais de 100 episódios, é óbvio que a qualidade oscila. Mas há episódios memoráveis em cada temporada. E, pra mim, a 4ª atinge o auge. Toda ela praticamente voltada para o arco principal.

Outro destaque é a trilha sonora imersiva do sempre ótimo Ramin Djawadi (Pacific Rim, Westworld, Game of Thrones). Além de músicas do Radiohead, Pink Floyd e Massive Attack.

Person of Interest (2011-2016), 5 temporadas, criador Jonathan Nolan, Warner, Bad Robot e Kilter Films

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

MAIS UMA COLETÂNEA CHEGANDO

sombra 2

Mais uma coletânea chegando, galera! Em meu conto Óculos escuros, um dia de sol, de praia, torna-se cenário de uma história sinistra.  Muito orgulho de fazer parte desse time fantástico de autores. Para ler a edição em e-book, com essa capa belíssima e uma diagramação cheia de mimos, é só clicar na imagem.

UM ALERTA URGENTE A FAVOR DA DEMOCRACIA

Ódio_150 x 225mm.indd

Nesses tempos de ameaça à democracia (e mesmo que o sempre afiado Vladimir Safatle diga que vivemos, na verdade, numa república oligárquica), O Ódio como Política é um livro que convida para uma reflexão urgente. Composto de textos curtos, introdutórios para obras de maior fôlego, o livro serve muito bem como um alerta sobre quem comanda de fato o destino do país.

A esquerda errou, o PT errou. Mas o que os neoliberais e protofascistas sempre pretenderam foi criar uma manada de consumidores ávidos e eleitores confusos. Em nome da ordem e do progresso investem numa visão de mundo excludente e rasa, na qual o livre pensamento tem limite e os preconceitos são combustível para a prática de barbaridades institucionais, psicológicas e físicas.

O Ódio como Política não trata os conservadores de maneira simplista. A simplicação apenas joga uma cortina de fumaça que retarda uma melhor compreensão de quem são os eleitores de Bolsonaro, por exemplo. Há os extremistas que estão fechados com seu líder, dispostos a derramar sangue nas ruas por uma ideologia nefasta. Há os oportunistas, que buscam ganhar dinheiro, cargos em empresas e eleitores. Mas há também muita gente frustrada com os rumos da política tradicional, que perdeu o emprego, o poder de compra, o status social, inclusive petistas de carteirinha, convertidos ao bolsonarismo. O eleitor protofascista do Coiso é coerente em seu discurso do ódio. O eleitor médio dele, não, tornando-se uma contradição ambulante. Há gay, negros e mulheres que o apoiam. Porém há evangélicos que o desprezam.

Bolsonaro é um avatar de forças econômicas maiores. Institutos neoliberais com um verniz democrático, de livre mercado, como Mises e Ethos, promovem sistematicamente uma doutrina falaciosa, enaltecendo a meritocracia e o esforço individual, contrários à organização coletiva da sociedade. Ao mesmo tempo, políticas governamentais de austeridade fragilizam os serviços públicos, levando a população, acuada, a recorrer às alternativas oferecidas pela iniciativa privada. As estruturas judiciárias mantêm, desde a escravidão, seu ranço histórico de “naturalização da desigualdade e da hierarquização das pessoas”, produzindo decisões midiáticas e populistas, geralmente, contra o direito do cidadão “comum”.

O problema não é só Bolsonaro. Ele é um sintoma de nossas injustiças e mazelas jogadas para debaixo do tapete por décadas e que agora veio cobrar o preço pelo o que não fizemos, não corrigimos, sob a forma de uma espécie de “ditadura voluntária”. A versão em e-book de O Ódio como Política pode ser lida gratuitamente até o fim do 2º turno.

O Ódio como Política, org. Esther Solano, 180 págs., Boitempo.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

ENTRE A BELEZA E A BRUTALIDADE

You-Were

Se você vai assistir a You Were Never Really Here pensando em se divertir com mais um filme de ação, pode dar meia volta. A diretora e roteirista escocesa Lynne Ramsay pega todos os clichês dos filmes policiais e joga pela janela. Ela evita glamourizar o derramamento de sangue e mostra que outros tipos de violência podem ser mais cruéis.

Mais do que qualquer outra coisa, esse filme curto e tenso é um estudo da personalidade perturbada de seu protagonista, o ex-soldado, ex-agente do FBI e agora matador de aluguel Joe, numa interpretação soberba de Joaquin Phoenix. Contudo, You Were Never Really Here não é uma daquelas produções independentes preguiçosas que se concentram apenas na performance de um grande ator ou atriz. O filme é tecnicamente perfeito e as soluções narrativas, visuais e sonoras orquestradas por Ramsay são a outra força dessa espécie de conto de fadas, ao mesmo tempo, tocante e brutal.

A todo momento há uma variação entre cenas delicadas, de interações humanas afetuosas, com a mais pura violência, seja física, psicológica ou simbólica. A narrativa é um quebra-cabeça, um jogo proposto pela diretora para fazer o espectador pensar. Há peças faltando e cabe a nós preenchê-las.

Montagem e fotografia são elusivas, sugerem mais do que mostram. O som é outro personagem. A trilha sonora do guitarrista do Radiohead Jonny Greewood soube captar muito bem a atmosfera oscilante com cordas, percussão e batidas eletrônicas, compondo uma música ora suave, onírica, ora nervosa, em clima de pesadelo. A edição de som é incrível ao transformar cada som captado (programas de televisão, pessoas falando, veículos passando, a natureza, barulhos da cidade, tiros) em mais um elemento dramático.

Para quem se apaixonar pelo filme, recomendo a leitura da novela de mesmo nome, escrita por Jonathan Ames. É um interessante complemento para conhecer melhor o passado e as motivações dos personagens. O filme não é adaptação tão fiel. Inclusive, considero este mais um raro caso em que o filme é melhor do que o livro. O final elaborado por Ramsay é o último tampa na cara dessa obra-prima.

You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay, 90 min., Film4 e outros.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

You Were Never Really Here, de Jonathan Ames, 100 págs., Vintage.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE