ENTRE A BELEZA E A BRUTALIDADE

You-Were

Se você vai assistir a You Were Never Really Here pensando em se divertir com mais um filme de ação, pode dar meia volta. A diretora e roteirista escocesa Lynne Ramsay pega todos os clichês dos filmes policiais e joga pela janela. Ela evita glamourizar o derramamento de sangue e mostra que outros tipos de violência podem ser mais cruéis.

Mais do que qualquer outra coisa, esse filme curto e tenso é um estudo da personalidade perturbada de seu protagonista, o ex-soldado, ex-agente do FBI e agora matador de aluguel Joe, numa interpretação soberba de Joaquin Phoenix. Contudo, You Were Never Really Here não é uma daquelas produções independentes preguiçosas que se concentram apenas na performance de um grande ator ou atriz. O filme é tecnicamente perfeito e as soluções narrativas, visuais e sonoras orquestradas por Ramsay são a outra força dessa espécie de conto de fadas, ao mesmo tempo, tocante e brutal.

A todo momento há uma variação entre cenas delicadas, de interações humanas afetuosas, com a mais pura violência, seja física, psicológica ou simbólica. A narrativa é um quebra-cabeça, um jogo proposto pela diretora para fazer o espectador pensar. Há peças faltando e cabe a nós preenchê-las.

Montagem e fotografia são elusivas, sugerem mais do que mostram. O som é outro personagem. A trilha sonora do guitarrista do Radiohead Jonny Greewood soube captar muito bem a atmosfera oscilante com cordas, percussão e batidas eletrônicas, compondo uma música ora suave, onírica, ora nervosa, em clima de pesadelo. A edição de som é incrível ao transformar cada som captado (programas de televisão, pessoas falando, veículos passando, a natureza, barulhos da cidade, tiros) em mais um elemento dramático.

Para quem se apaixonar pelo filme, recomendo a leitura da novela de mesmo nome, escrita por Jonathan Ames. É um interessante complemento para conhecer melhor o passado e as motivações dos personagens. O filme não é adaptação tão fiel. Inclusive, considero este mais um raro caso em que o filme é melhor do que o livro. O final elaborado por Ramsay é o último tampa na cara dessa obra-prima.

You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay, 90 min., Film4 e outros.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

You Were Never Really Here, de Jonathan Ames, 100 págs., Vintage.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

 

Anúncios