A MONTAGEM PERFEITA DE MATRIX

hoamyh3wjvnr5iqhcsvo

A transição de cenas é um dos aspectos mais importantes de um filme. É a mudança de uma cena para a próxima. Ela pode ser feita de várias maneiras. Exemplo 1 de transição: uma luta de boxe termina, o boxeador protagonista é derrotado CORTA PARA o boxeador se lamentando no chuveiro. Exemplo 2: um casal tem uma briga CORTA PARA uma praia CORTA PARA a mulher conversando com uma amiga. No caso de Matrix, as transições são brilhantes e essa é uma das razões do sucesso narrativo do filme. É uma história contada com paixão em cada detalhe, o que faltou nas sequências. As transições de Matrix mostram como edição de imagens, edição de som, diálogos, roteiro e storyboard podem fazer para cativar o espectador do começo ao fim. O vídeo do youtuber Patrick Willems explica como Matrix é um filme tecnicamente perfeito e o que isso contribuiu para que se tornasse um clássico.

Anúncios

MEU CONTO NA SOMNIUM N°113

capa 113

A revista Somnium é a publicação de ficção científica mais antiga em atividade no Brasil. Iniciativa do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), ela já teve edições em papel, por muitos anos, no formato semi-profissional. Agora as edições são exclusivamente digitais e gratuitas. Editores são convidados pelo presidente para organizar a revista, num esforço de membros do CLFC para escrever textos, selecionar contos e diagramar cada número.  Acaba de sair o número 113. Participo com o conto Aynin Candé, uma mistura de new weird, cyberpunk e afrofuturismo. Tenho a honra de estar ao lado de autores muito bacanas. Inclusive ídolos, como Carlos Orsi, Luiz Bras e Gerson Lodi-Ribeiro. Para ler a edição atual e várias outras é só clicar na capa.

DEADPOOL NA UNIVERSIDADE

marvel-deadpool-sixth-scale-hot-toys-feature-902628_jf2p

O escritor Clinton Davisson acabou de publicar um artigo do seu mestrado, Deadpool e A Quarta Parede – Uma Análise das Narrativas de Metalinguagem. Ele fala sobre o poder do cinema, especialmente o americano, no imaginário popular, e a influência que os filmes têm em nossas vidas, como fuga e retorno à realidade. Mostra como a sétima arte se transformou bastante nos últimos anos, apostando em novas formas de narrativa, interagindo com outras plataformas e dando ao público maior poder de decisão (na verdade, sendo forçada a isso), ao ponto de acabar com a reputação de um filme ou fazê-lo acontecer. E, recentemente, Deadpool se tornou a fusão mais bem sucedida de todos esses elementos. O artigo tem reflexões e insights bem interessantes sobre a relação cinema-linguagem-espectador. Pessoalmente, fiquei feliz em ver uma resenha minha sobre Deadpool entre as citações. O artigo é curtinho e pode ser baixado de graça. Vale muito a pena a leitura.

LEGION, X-MEN COM LSD

legion-series-premiere-review-700x300

A série Legion é a coisa mais diferente que já vi, na TV ou cinema, envolvendo super-heróis. O canal FX deu carta branca para o badalado showrunner Noah Hawley virar o universo dos x-men pelo avesso.

A narrativa de Legion é inspirada em diretores como Michel Gondry, David Lynch e Stanley Kubrick. A direção de arte é uma mistureba interessante de referências dos anos 60, 70 e atuais. Uma solução para cortar custos, mas que funcionou muito bem para dar um visual único à série. Outro atrativo é a trilha sonora. Quem curte aqui Pink Floyd?

1200

Provavelmente, o espectador médio, mesmo fãs da Marvel, vai achar tudo muito estranho e difícil de acompanhar. Há heróis, vilões e superpoderes, mas a atmosfera de sonho, de delírio talvez não agrade quem esperava uma narrativa mais linear, menos subjetiva.

A verdade é que Legion deu um novo fôlego às adaptações de super-heróis. Mesmo que pouca coisa dos quadrinhos tenha sido usada. Mas há uma ligação direta com os x-men, o que pode ser mais explorado no futuro.

Legion-FX-dévoile-un-premier-trailer-au-Comic-Con

A história gira em torno do protagonista David Haller, interpretado com competência e carisma por Dan Stevens. Ele é o centro de tudo. Mas há espaço para o desenvolvimento dos outros personagens, até dos vilões. Mas quem rouba o show é Aubrey Plaza com sua performance ligada no 220v. Outro que faz a diferença é Jemaine Clement, com seu Oliver Bird irônico e bon-vivant.

Legion não é perfeito. Lá pelo meio, a criatividade dos roteiros cai de rendimento, dando voltas que não levam a lugar nenhum, para se recuperar no final. E quando se exige mais dos efeitos especiais, fica evidente a falta de grana para algo mais sutil. A série acompanha a tendência atual. São oito episódios que focam em um grande arco. Talvez a trama ficasse melhor amarrada em seis episódios.

tumblr_okpnk8CJXO1vwrnt0o1_400

A segunda temporada já está confirmada. A questão é saber o que Hawley vai fazer daqui para frente. Os índices de audiência da primeira temporada não foram lá essas coisas para o padrão americano. Na casa de 1 milhão de espectadores ou menos por episódio. O canal FX reconhece a importância artística de Legion, mas sabe que é um produto difícil de vender. Para a série não acabar antes de fechar sua história, ela precisa de mais audiência. E geralmente, mais audiência significa concessões.

Mas não sofra por antecipação. Veja Legion. Abra sua mente e se divirta.

Legion, criada por Noah Hawley, 8 epsiódios (aprox. 50 min. cada), FX Productions, Marvel Television e outros.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE