DECEPÇÃO CYBERPUNK

BLAME-10-Sobrecapa_g-1024x449

Saga cyberpunk em 10 volumes, Blame! começa muito promissora, mas termina melancolicamente como uma baita decepção.

Os primeiros cinco volumes mostram um universo contido, mas intrigante e em expansão, envolvendo ciborgues letais e impiedosos de um lado e alguns humanos tentando sobreviver a uma distopia claustrofóbica, dentro de enormes instalações metálicas, com vários níveis e compartimentos, um verdadeiro labirinto vertical.

No início, o estilo lacônico do roteiro do mangaká Tsutomu Nihei estimula o leitor a fazer todos os questionamentos: que lugar é aquele? O que pretendem os robôs? O que aconteceu antes com a humanidade? A cada volume, apenas poucas informações são dadas. Mas tudo bem, porque há a expectativa de novas revelações, que, no final, façam algum sentido.

Mas acontece que, a partir do volume 6, a trama vai ficando cada vez mais vaga, com menos personagens e menos diálogos. E os mistérios se empilham. O que leva mesmo a avançarmos na leitura é a arte criativa e detalhada de Nihei, com suas criaturas bizarras e cenários épicos. Ele também é um mestre da movimentação. Sua cenas de ação são ágeis e potentes. Sua maior dificuldade é o desenvolvimento de personagens.

O desfecho é aberto demais, daqueles que dá vontade de jogar o mangá na parede.

Blame!, de Tsutomu Nihei, 10 volumes, JBC.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

Anúncios

A HORA E A VEZ DOS DESASSISTIDOS

oração

Itamar Vieira Junior é o mais importante autor baiano da atualidade. Vencedor da última edição do Prêmio Leya, seu romance Torto Arado teve extensa cobertura da mídia portuguesa. O autor foi à terrinha e fez bonito em diversos encontros e entrevistas. O romance será lançado no Brasil pela Todavia.

Itamar segue a tradição dos grandes autores baianos em aliar inquietação política e filosófica com apuro literário. Ele chamou atenção com o livro de contos A Oração do Carrasco. Não se engane com a finura do livro. Apesar de curto, cada conto carrega uma densidade que desafia o leitor, conteúdo e forma.

O triunfo aqui é falar de gente sofrida, os desassistidos, as minorias, mas descartando naturalismos fáceis. É uma poesia dura. Às vezes excessiva. Um ou outro conto poderia ser mais curto, porque a história termina e a linguagem continua meio que solitária, como em “Meu mar (Fé)”.

Mas não é à toa que o livro foi finalista do Jabuti. É o mais impactante livro de contos publicado por um autor baiano na última década, pelo menos. Existe até um flerte com a especulação, com a ficção científica, em “A floresta do adeus”. Os melhores contos são os que aliam, na medida certa, enredo intrigante, personagens cativantes e voz narrativa envolvente, como em “Alma” e “O espírito aboni das coisas”.

A pequena editora Mondrongo, da cidade de Itabuna, no interior aqui da Bahia, está de parabéns por lançar uma edição tão profissional, com bela capa e um projeto gráfico atraente.

A Oração do Carrasco é imperdível.

A Oração do Carrasco, de Itamar Vieira Junior, 167 págs., Mondrongo.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

CYBERPUNK NO CATARSE

cyberpunk-livro

Vem aí meu mais novo livro! Que honra participar dessa coletânea e fazer parte desse timaço de autores. O cyberpunk não morreu. Virou outra coisa. Está competindo com a realidade de futuro incerto e presente voltando para trás. Minha noveleta se chama Caos Tranquilo. A história se passa numa Salvador alternativa, em 1987. Zima é uma ex-militar que busca dar um outro sentido para sua vida e habilidades. Edmo é um jornalista medíocre de dia e um escritor subversivo à noite. Numa cidade considerada um paraíso, mas onde ser feliz custa caro, nossos dois protagonistas negros enfrentarão inimigos brutais e suas próprias consciências. Uma mistura de homenagem e tiração de sarro de um subgênero tão marcante e influente. Clique na imagem e conheça a campanha de financiamento coletivo no Catarse. Apoie. Saia da Matrix.

ESTRANHA BAHIA ESTÁ CHEGANDO!

Nova Capa Estranha Bahia (1)

Houve um pequeno contratempo no cronograma da 2ª edição da Estranha Bahia, mas voltamos aos trilhos. Estamos fazendo a última revisão do miolo antes de mandarmos os arquivos para a gráfica. A capa completa está pronta. Houve pequenas modificações em relação à edição anterior. Tudo para deixar os elementos da capa, quarta capa, lombada e orelhas mais nítidos. Lançamento em julho!