IT´S ALIVE! IT´S ALIVE!

wood

Este livro é uma apaixonada defesa do romance realista. Com muita elegância e propriedade, num texto acessível, mas rigoroso, Wood rebate a ideia de que o realismo na ficção vai mal das pernas já há algum tempo. Ele tenta provar isso, analisando a origem do realismo moderno, com a revolução literária promovida por Flaubert, até os dias atuais, separando o que ele considera o joio do trigo, ou seja, os autores que evoluíram o conceito de realismo na literatura e os que se tornaram meros mimetizadores da realidade.

Para Wood, o realismo literário não é uma cópia da vida real, mas uma recriação, uma seleção de detalhes e modos de dizer que estimulam o leitor a (re)imaginar essa realidade. Por isso, para ele, a musicalidade da prosa, a profundidade dos personagens e a maneira de o escritor-narrador se inserir no texto, enfim, a atmosfera ficcional, são mais importantes do que a trama. Nesse sentido, a melhor literatura é aquela que discorre sobre o mundo real de uma forma arrojada e viva, dando-lhe outro significado.

Wood defende sua tese muito bem. Há reflexões essenciais sobre o discurso indireto livre (um dos pontos altos do livro), onisciência do narrador, cuidado com a linguagem, funções do diálogo e a importância do detalhe. Pensamentos úteis para qualquer um aprimorar sua escrita, inclusive, autores de terror, fantasia, ficção científica e policial. Contudo, o problema na visão de mundo de Wood é a falta de generosidade.

Ao terminar Como Funciona a Ficção, fica claro, mesmo que Wood não diga isso explicitamente, que ler literatura de gênero é uma perda de tempo. Porque há autores mais interessantes para o leitor se dedicar. Autores mais exigentes , que proporcionam uma recompensa estética e filosófica mais enriquecedora. Mesmo que, por exemplo, Wood reconheça John le Carré como um autor de suspense acima da média, ainda assim seus romances de espionagem, com personagens e tramas complexas, ficariam devendo em relação à linguagem, considerada convencional.

Essa má vontade de Wood tira um pouco do brilho de Como Funciona a Ficção. Mas naquilo em que autor se propõe, ou seja, provar ao leitor a importância da ficção realista, ele é tão bem sucedido que transformou seu livro numa leitura obrigatória.

Como Funciona a Ficção, de James Wood, 232 págs., SESI-SP.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM , MUITO BOM, EXCELENTE

Anúncios

O PREÇO DO FIM DO NAZISMO

1945

Radiografia da vida privada e pública logo após a 2ª Guerra Mundial. Acompanhamos as implicações políticas, administrativas e econômicas que afetaram o rumo de países vitoriosos e derrotados por meio do cotidiano de sua gente. Em muitas passagens, acompanhamos um retrato mais íntimo desses personagens históricos. Então temos contato com comportamentos tanto nobres como sórdidos. Estupros, racismo, xenofobia, mas também a redefinição do papel da mulher, no ocidente e no oriente.

Este livro mostra como de fato a 2ª Guerra Mundial afetou praticamente todos os povos do planeta, uns mais diretamente do que outros. E reforça o drama vivido não só pela Europa, palco principal do conflito, mas em outras regiões, como o Oriente Médio e o Sudeste Asiático. A 2ª Guerra foi o ápice de uma série de disputas políticas e econômicas, de há pelo menos um século, envolvendo potências europeias e suas colônias. No fim da Guerra, houve um sentimento de alívio, tanto das autoridades internacionais como de populações massacradas, mas também foi o começo de um período conturbado.

A Guerra Fria entre EUA e União Soviética se tornou evidente. As colônicas europeias gritavam por independência. Aconteceram vinganças e retaliações, nem sempre justificáveis. A vida ainda era difícil para muita gente, e cada um se virava como podia, inclusive por meio da prostituição e do contrabando. Heróis de guerra foram traídos, presos e executados. Militares japoneses e nazistas, assim como empresários simpatizantes do Eixo, foram poupados para ajudar a reerguer a economia e a infra-estrutura da Europa e do Japão. A triste ironia da derrota do nazismo foi que abriram uma caixa de Pandora, que resultou na Guerra da Coreia e na divisão do país em Norte e Sul, na Guerra do Vietnã, na Guerra da Síria etc.

Buruma avalia que houve uma sincera vontade de muitos líderes, principalmente, americanos e europeus, em aproveitar o fim da 2ª Guerra para também promover uma “reconstrução moral”, com a criação da ONU, da Declaração Universal dos Direitos Humanos, do estado de bem-estar social, de instituições mais sólidas que garantisse uma nova era de prosperidade e fraternidade. Mas tudo isso acabou disputando espaço com a realidade, com o que há de pior no ser humano, tanto em relação aos poderosos quanto ao chamado cidadão comum. A partir de 1945, houve conquistas significativas, e não só os europeus e americanos as usufruíram, num sentindo amplo. Mas, como podemos perceber no contexto atual, essas conquistas foram constantemente ameaçadas, ao longo dos anos.

Ano Zero – uma história de 1945, de Ian Buruma, 472 páginas, Cia das Letras.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM , MUITO BOM, EXCELENTE