HISTÓRIA DO BRASIL ALTERNATIVA

Sem título

A história alternativa é um subgênero da ficção científica pouco praticado no Brasil. As histórias alternativas mais interessantes fazem especulações sobre o passado para entender melhor o presente. Por isso, é sempre bem-vindo quando bons romances nacionais imaginam outros Brasis possíveis, como uma criativa reflexão sobre nossa realidade.

No caso de A Segunda Pátria, de Miguel Sanches Neto, e E de Extermínio, de Cirilo S. Lemos, temos obras escritas por um autor do mainstream e outro do fandom, respectivamente.

Como o próprio Sanches Neto reveleou, seu romance foi encomendado pela editora. A proposta era responder à pergunta: e se o presidente Getúlio Vargas se aliasse a Hitler às vésperas da Segunda Guerra Mundial? No universo criado por Sanches Neto, os nazistas dominaram o sul do Brasil. Então acompanhamos, em A Segunda Pátria, a abordagem de uma ficção especulativa escrita por alguém com experiência em romances históricos, mas iniciante na FC.

A maturidade literária é o que mais chama atenção em A Segunda Pátria. Prosa fluente, sagaz, ótima pesquisa histórica, utilizada para reproduzir a atmosfera e a mentalidade da época, com personagens bem desenvolvidos. O aspecto especulativo é sutil, mas assustador. Os protagonistas são um engenheiro negro e uma jovem nazista branca, em Santa Catarina. O interessante é que o autor, a partir de sua pesquisa, extrapola ou dá outros rumos a fatos e comportamentos, de início, reais. Acompanhamos um horror palpável, verossímil. Infelizmente, a trama perde seu rumo por vários capítulos, ao dar-se ênfase apenas ao ponto de vista da jovem nazista. É um estudo de personagem envolvente, muito bem executado, com nuances e dilemas, mas que faz a narrativa deixar de lado o cenário mais amplo. O que vai ser recuperado só no terço final do livro, com toda a força. Terminada a leitura, percebemos que A Segunda Pátria, apesar de sua estrutura irregular, é um romance corajoso.

E de Extermínio foi originalmente publicado como uma noveleta, reproduzida na primeira parte do romance. Cirilo S. Lemos muda acontecimentos da história do Brasil, misturando personagens fictícios com personalidades do passado. As décadas de 1930 e 1940 são retratadas com uma pegada dieselpunk, num contexto retrofuturista, em que a monarquia ainda comanda o país, mesmo que de maneira frágil. Tensões entre monarquistas, militares, comunistas e americanos mostram uma disputa de poder acirrada, num cenário de Dick Tracy e Rocketeer, à nossa maneira, onde o avanço convive com o atraso.

O texto é ágil e cheio de ação. Mas há também belas passagens durante a calmaria ou nos momentos de delírio, nos quais os personagens são aprofundados. A ressalva fica para a falta de coesão do livro, em que as partes formam um todo meio caótico. Porém, isso é um arranhão menor na prosa relevante e divertida do autor.

A literatura brasileira precisa de mais livros como A Segunda Pátria e E de Extermínio. Romances que conseguem, ao mesmo tempo, contar boas histórias e fazer a gente pensar melhor sobre as rachaduras na realidade de nosso país.

A Segunda Pátria, de Miguel Sanches Neto, 320 págs., Intrínseca

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

E de Extermínio, de Cirilo S. Lemos, 248 págs., Draco

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s