HITLER, ESCRITOR DE FICÇÃO CIENTÍFICA

The+Iron+Dream+by+Norman+Spinrad-1

Publicado em 1954, Lord of the Swastika é a obra mais conhecida do autor de ficção científica Adolf Hitler. Acompanhamos a história de Feric Jaggar, um homem geneticamente perfeito que tem a ambição de varrer da face do planeta todo tipo de aberração mutante num mundo pós-nuclear.

Na verdade, o romance de Norman Spirad é um livro dentro de um livro, publicado em 1972. The Iron Dream é o texto integral do fictício Lord of the Swastika, acompanhado de um prefácio com a vida e obra do Hitler autor e um ensaio sobre seu clássico. Tudo faz parte do jogo metalinguístico dessa mistura de sátira e fantasia.

Nessa linha do tempo, Hitler deixa a Alemanha, depois de enfrentar problemas políticos, e emigra para os EUA, em 1919. Mas, tanto dentro como fora de Lord of the Swastika, Spinrad não está muito preocupado em criar universos alternativos verossímeis.

A intenção de Spirad foi construir uma ficção heroica exagerada, a partir da mentalidade delirante de Hitler. A linguagem é ridiculamente épica, com frases de efeito e uma sintaxe derramada. Ou seja, o livro é intencionalmente ruim.

O herói de Hitler é determinado, estrategista perfeito e cheio de razão. Os outros personagens são camaradas subordinados ou inimigos da pior espécie, aberrações. As primeiras cem páginas são movimentadas e o leitor consegue desfrutar as várias camadas do romance de Spinrad. Aquele universo leva o herói muito a sério e aí está a graça da coisa.

The Iron Dream é mais fantasia do que ficção científica. Principalmente, porque o herói puro, que se acha acima da maioria das outras criaturas, muitas retratadas como deformadas e vis, comporta-se como os protagonistas das histórias de espada e magia. Lembramos logo de Conan.

Portanto,  The Iron Dream também serve como uma crítica afiada à literatura de fantasia em geral, com seus heróis brancos e destemidos contra inimigos considerados inferiores, bestiais.

O livro não deixa de ser bastante violento, com a representação física da ideologia do herói em banhos de sangue empregando-se cassetetes, armas de fogo, balas de canhão, lança-chamas, bombas aéreas e por aí vai. O que leva o leitor a perceber como o racismo, a xenofobia, o machismo e a megalomania podem transformar o espírito de grupo, toda uma sociedade, numa força de destruição.

Infelizmente, o maior problema de The Iron Dream é que a piada se torna longa demais e vai perdendo a graça. A trama se torna repetitiva e previsível ao acompanharmos a ascensão do herói sem muitos obstáculos, sem nenhum dilema interior. Ainda mais para aqueles que conhecem um pouco da história da ascensão do próprio Hitler. Há toda uma analogia relacionada às disputas internas entre os nazistas, à Segunda Guerra Mundial, à União Soviética e aos judeus. Se The Iron Dream fosse uma novela, reuniria muito bem seus melhores momentos.

O romance se recupera nos capítulos finais com uma reviravolta chocante e provocativa.

41WP-BHJi7L

The Iron Dream, de Norman Spinrad, 288 páginas, Gateway.

AVALIAÇÃO: RUIM, REGULAR, BOM, MUITO BOM, EXCELENTE

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s