A DIFERENÇA ENTRE ANTOLOGIA E COLETÂNEA

100_3071

Ana Lúcia Merege, a autora de fantasia de maior destaque no país, e Flávio Moreira da Costa, escritor e organizador de diversas antologias de sucesso, me esclareceram a diferença entre antologia e coletânea. Segundo Flávio, até as editoras fazem confusão.

O dicionário Michaelis on line tem como uma das definições de antologia:

3 Coletânea de textos literários, em prosa ou verso, selecionados das obras de autores célebres, dispostos segundo critérios diversos: tema, época, autoria etc.; seleção, seleta.

No mesmo Michaelis, temos as definições para coletânea:

1 Excertos seletos e reunidos de diversas obras.
2 Coleção de diferentes obras ou coisas.

Flávio diz que, no caso de livros de contos para submissão de textos inéditos e/ou já publicados, o melhor é chamar de coletânea, sendo que tais livros podem ser temáticos.

Ana Lúcia reforça dizendo que antologia é amostra de algo:

“Assim, normalmente antologias reúnem contos já publicados, pinçados de outras publicações. Coletânea é uma coleção de contos, reunidos por tema, autor… ou não. Inéditos ou não. Toda antologia é também uma coletânea, mas nem toda coletânea é uma antologia.”

Para Flávio, dicionários nem sempre são confiáveis. A experiência no mercado editorial também conta.

Leia um comentário que ele escreveu a respeito de alguns lançamentos:

ATENÇÃO! DEFESA DO CONSUMIDOR LITERÁRIO:
ANTOLOGIA NÃO É COLETÂNEA., COLETÂNEA NÃO É ANTOLOGIA (INDEPENDENTE DO QUE POSSA DIZER ALGUM DICIONÁRIO POUCO INTELIGENTE.)
1.
A “ANTOLOGIA” DE POEMAS (DITA NO PRÓPRIO SUBTÍTULO) DE ADRIANA CALCANHOTO, NÃO PASSA DE UMA COLETÂNEA. SOBRE A QUALIDADE DO LIVRO, NÃO SEI (AMADOR NETO DESANCOU A BOA INTENÇÃO DA CANTORA). E me espanta COMO A EDITORA NÃO PERCEBEU O ERRO DE CHAMAR O LIVRO DE “ANTOLOGIA”
2
ANUNCIADO UM LIVRO DE CONTOS COMO “ANTOLOGIA” (QUANDO TAMBÉM É UMA COLETÂNEA) COM BASE NOS SAMBAS DE NOEL ROSA, UMA IDÉIA BOA.
QUE O LEITOR COMUM MISTURE COLETÂNEA (SEM OBRIGAÇÃO DE CERTA PERENIDADE, E COM AUTORES LONGE DE SEREM “ANTOLÓGICOS”, porque ainda recentes!!)) COM ANTOLOGIA (QUE A CRÍTICA DO TEMPO FEZ P/ REGISTRO HISTÓRICO, NA REALIDADE), DÁ PARA ENTENDER. MAS EDITORES E ESCRITORES DEVERIAM SABER UM POUCO MAIS SOBRE O ASSUNTO.
(Atenção 2: esta nota não é em causa própria. Juro.)

Para o escritor e tradutor Fábio Fernandes, a confusão entre os termos antologia e coletânea, no Brasil, possivelmente tem a ver com a prática do mercado editorial americano. Lá tudo é antologia, de autores novatos, veteranos, contemporâneos ou clássicos, conforme definição do dicionário Merriam-Webster on line:

anthology

1:  a collection of selected literary pieces or passages or works of art or music […]

Mas, assim como Flávio, Fábio alerta para as limitações de dicionários em relação à realidade. É provável que, “[…] A cultura anglófona editorial tornou o termo mais abrangente”. No final das contas, Fábio considera que a diferença dos termos não importa muito. “Eu continuo achando que eles estão mais certos lá. Mas enfim, são dois mercados que não se misturam, então não faz diferença ao fim e ao cabo.”

No caso do mercado editorial brasileiro, se você pensa em organizar um livro de contos de FC, terror e/ou fantasia, melhor chamá-lo de coletânea. Deixe as antologias para os autores já estabelecidos.

Anúncios

1 comentário

  1. anamerege · março 27

    Uau, obrigada pelo elogio. 😉

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s